Buscar

SÍNDROME METABÓLICA E A OSTEOARTROSE -PARTE I

A Síndrome Metabólica (SM) é classicamente definida como uma combinação

de excesso de peso, hipertensão arterial, dislipidemia e comprometimento da

tolerância aos níveis de glicose no sangue. Outros fatores associados são o estresse

crônico e a susceptibilidade genética. Não é de hoje que os componentes dessa

famigerada síndrome são conhecidos e intimamente conectados à doença

cardiovascular, a maior causa de morbi-mortalidade no mundo. No entanto, sua

relação com a osteoartrose (OA) tem ganho novos capítulos ao longo dos últimos anos,

sendo esta última considerada a patologia de maior prevalência entre os idosos.

Ao revermos a história dessa relação na literatura, vemos que antigos artigos já

enfatizavam essa tendência. Kellgren em 1961 relatou que a OA das mãos estava

significativamente associada aos níveis séricos de colesterol acima da média em

mulheres; fato interessante dado que as mãos não são articulações de carga, como são

os joelhos ou quadris, por exemplo. Cimmino e col. em 1990 observaram níveis

plasmáticos significativamente aumentados de glicose no sangue em mulheres com

OA, quando comparadas às mulheres sem AO.


O papel da obesidade na OA, por sua vez, vai além de um efeito puramente mecânico

de sobrecarga, exclusivo nas articulações de suporte de peso, para sua capacidade de

protagonizar uma inflamação sistêmica, hoje reconhecida como meta-inflamação ou

inflamação sistêmica de baixo grau. Diferentes correntes tentam explicar a raiz da SM.

Alguns autores consideram o estado inicial resistente à insulina como a semente do

problema, enquanto outros consideram a obesidade a força motriz de toda a

constelação dos fatores da SM. De fato, o que não se discute é que este estado pró-

inflamatório seja o gatilho para diversas patologias em diferentes sistemas do corpo.



Referências:

Berenbaum F, Griffin TM, Liu-Bryan R. Review: Metabolic Regulation of Inflammation

in Osteoarthritis. Arthritis Rheumatol. 2017;69(1):9-21. doi:10.1002/art.39842

Yoshimura N, Muraki S, Oka H, et al. Accumulation of metabolic risk factors such as

overweight, hypertension, dyslipidaemia, and impaired glucose tolerance raises the

risk of occurrence and progression of knee osteoarthritis: a 3-year follow-up of the

ROAD study. Osteoarthritis Cartilage. 2012;20(11):1217-1226.

doi:10.1016/j.joca.2012.06.006.

Xie C, Chen Q. Adipokines: New Therapeutic Target for Osteoarthritis?. Curr RheumatolRep. 2019;21(12):71. Published 2019 Dec 7. doi:10.1007/s11926-019-0868-z

Adebayo OO, Ko FC, Wan PT, et al. Role of subchondral bone properties and changes in

development of load-induced osteoarthritis in mice. Osteoarthritis Cartilage.

2017;25(12):2108-2118. doi:10.1016/j.joca.2017.08.016.



Drº José Fábio Lana, MD

Orthopedic

Interventional Pain Management


IOC - Instituto do Osso e da Cartilagem / The Bone and Cartilage Institute ORTHOREGEN INTERNATIONAL COURSE


UNIT 1 - Indaiatuba - São Paulo +55 19 3017 4366

UNIT 2 - Uberaba - Minas Gerais +55 34 3331 7777


_______________________________________________________________________

Entre em contato conosco por mensagem ou telefone:

Indaiatuba/SP: (19) 3017-4366 | 3392-6549
Belo Horizonte/MG: (31) 99949-7500
Uberaba/MG: (34) 3331-7777 | 99931-6810
Porto Alegre/RS: (51) 32761088 | 9243-9677
Vitória/ES: (27) 3207-5506 | 99992-5643
Brasília/DF: (61) 99630-0600 | 3248-7350
Goiânia/GO: (62) 992632170| 39790544

Este site foi criado para compartilhar informações e não tem como objetivo prestar consultas ou atendimentos médicos. As informações contidas no site expressam a opinião dos autores. As opiniões não tem vínculos com nenhuma instituição e as informações aqui contidas não substituem a avaliação médica. O médico não pode realizar diagnóstico e tratamento a distância ou por e-mail.

Responsável Técnico: Dr. José Fábio Lana / CRM/SP 133606 / CRM/MG 20582 - Ortopedia e Traumatologia - RQE nº55117