Buscar

PROBIÓTICOS NA SAÚDE DO MICROBIOMA INTESTINAL - PARTE II


As bactérias “boas” parecem ditar uma série de funções fisiológicas ao longo do

aparelho digestivo que influenciam as respostas imunológicas, função de barreira epitelial e proliferação de células. Os efeitos principais incluem ação antimicrobiana através da aglomeração de moléculas que inibem a expressão gênica em cepas de

bactérias que causam problemas. Probióticos também competem contra as bactérias “ruins” por substratos, inibindo a expressão de genes ou proteínas de virulência e limitando o domínio dessas cepas patogênicas.


Logo, o consumo de probióticos pode ser considerado essencial, pois quando a

integridade do epitélio intestinal é comprometida, inicia-se um processo conhecido

como “síndrome do intestino permeável”. Essa é uma condição digestiva onde

bactérias e toxinas são capazes de vazar pela parede intestinal, invadindo a circulação

e desencadeando diversos tipos de doença, incluindo inflamação crônica, problemas

autoimunes e até doenças neurológicas.




Referências:

So, J. S., Kwon, H. K., Lee, C. G., Yi, H. J., Park, J. A., Lim, S. Y., Hwang, K. C., Jeon, Y. H.,

& Im, S. H. (2008). Lactobacillus casei suppresses experimental arthritis by

down-regulating T helper 1 effector functions. Molecular Immunology.

https://doi.org/10.1016/j.molimm.2007.12.010


Vitetta, L., Coulson, S., Linnane, A. W., & Butt, H. (2013). The gastrointestinal

microbiome and musculoskeletal diseases: A beneficial role for probiotics and

prebiotics. Pathogens. https://doi.org/10.3390/pathogens2040606