Buscar

O uso das células tronco mesenquimais para o tratamento da COVID-19: uma esperança regenerativa

PARTE II

Já existem diversos projetos que avaliam o potencial das células tronco

mesenquimais no tratamento do COVID19. Em um estudo publicado em março de 2020, sete pacientes positivos para coronavírus receberam uma dose única dessas células. Foi observado uma melhora nos principais marcadores da doença, como saturação de oxigênio, marcadores inflamatórios, e achados radiológicos. Inclusive um paciente que estava entubado na UTI teve alta em menos de 20 dias e o exame passou

a dar negativo para o vírus. Em um outro relato de caso, uma paciente internada em estado grave com a necessidade de ventilação mecânica e já apresentava sinal de falência hepática, recebeu três doses desta terapia celular. Após quatro dias, a ventilação foi retirada e a paciente já estava apta a caminhar. Até o momento, não foi relatado nenhum efeito adverso à essa terapia.


Este novo tipo de terapia se tornou uma esperança no tratamento da COVID-19.

Entretanto, o tratamento desta doença é extremamente dependente do estado

imunológico da pessoa, bem como o estado geral de saúde. Seu uso ainda é limitado a

experimentos científicos com estudos bem avaliados para evitar equívocos. Os estudos

disponíveis sugerem a eficácia desta nova abordagem. Mais estudos são necessários,

porém os resultados promissores nos dão esperança de tratamento.



Referências:

Liang, B., Chen, J., Li, T., Wu, H., Yang, W., Li, Y., ... & Yang, M. (2020). Clinical remission of a critically ill COVID-19 patient treated by human umbilical cord mesenchymal stem

cells. ChinaXiv, 2, v1.


Orleans, L. A., is Vice, H., & Manchikanti, L. (2020). Expanded umbilical cord mesenchymal stem cells (UC-MSCs) as a therapeutic strategy in managing critically ill COVID-19 patients: the case for compassionate use. Pain physician, 23, E71-E83.