Buscar

A composição do Plasma Rico em Plaquetas (PRP) - PARTE II


Neutrófilos também estão presentes no PRP e desempenham função importante para defender o hospedeiro e recrutar células à área de infecção ou regeneração. Além do mais, estas células também possuem a capacidade de produzir algumas moléculas importantes para o processo de regeneração tecidual.


Já, a fração molecular, a maior parte (e também mais estudada) está presente

principalmente nas plaquetas, como maior fonte. As plaquetas possuem em seu interior 2 tipos de grânulos, chamados de grânulos alfa e denso. Existem muitas moléculas em cada um destes grânulos, as quais são liberados quando as plaquetas são ativadas. Estes fatores de crescimento tem a habilidade de regular a migração, proliferação celular e desempenham um papel importante no processo inicial da cicatrização. Estão também presentes as citocinas, as quais são proteínas que possuem a capacidade de modular o sistema de defesa (IL-1, IL-4, IL-6 e IL-10).

Estas proteínas são secretadas por células do sistema imunológico e podem agir nelas mesmos (autócrina), em células bem distantes (endócrina) ou na vizinhança (parácrina). Algumas possuem propriedades anti-inflamatórias (IL-4, IL-10), outras pró-inflamatórias (IL-1, IL-6). Ainda existem várias moléculas presentes nos PRP que vêm sendo estudadas.


Portanto, o PRP apresenta uma grande variedade de células e moléculas que são

injetados no local. Como existem tanto proteínas pró e anti-inflamatórias, o ambiente em que estas células são inseridas e os estímulos que recebem orquestram a liberação das proteínas, podendo alterar-se. Devido a esta incrível capacidade, o PRP tem sido estudado e modificado a fim de se obter o melhor efeito biológico no paciente.



Referências:

Lana JFSD, Purita JR, Paulus C, Huber SC, Rodrigues AM, Santana MH, Junior JLM, Luzo

ACM, Belangero WD, Annichino-Bizzacchi J. Revision and contributions for the current

classification of Platelet Rich Plasma (PRP): Proposal of a New Classification MARSPILL.

Regen Med. 2017 Jul;12(5):565-574.