Buscar

ÁCIDO ALFA LIPÓICO - INSIGHTS SOBRE SEU USO TERAPÊUTICO - PARTE II


O que de fato os ensaios clínicos mostram é sobre sua segurança no uso. Doses de até 2.400 mg/dia não mostraram efeitos adversos. Na Alemanha por exemplo, o AL tem

sido usado há mais de 50 anos para neuropatia e retinopatia diabéticas.


Além de ser um “medicamento” para o diabetes e suas complicações, ao longo da sua história o AL foi descrito como um potente antioxidante natural e um agente de desintoxicação. Alguns trabalhos também o referenciam como neuroprotetor em doenças como Alzheimer. Em suas formas oxidada ou reduzida, o AL é capaz de eliminar radicais livres, especialmente o potente radical hidroxila (-OH). E isso, sem se tornar ele próprio um radical livre nesse processo de antioxidação. Trabalhos indicam um efeito de o AL regenerar antioxidantes endógenos como a vitamina C e a vitamina E, sendo usado de suporte nesse mecanismo natural do corpo. Talvez seja esse um dos motivos de seus efeitos duradouros, já que o AL é rapidamente metabolizado. Outro dado que merece destaque é que diversos trabalhos mostram o aumento intracelular de glutationa, um dos maiores antioxidantes naturais do corpo, com o uso do AL.



Referências:

Esposito C, Ugo Garzarella E, Santarcangelo C, Di Minno A, Dacrema M, Sacchi R,

Piccinocchi G, Piccinocchi R, Daglia M. Safety and efficacy of alpha-lipoic acid oral

supplementation in the reduction of pain with unknown etiology: A monocentric,

randomized, double-blind, placebo-controlled clinical trial. Biomed Pharmacother.

2021 Dec;144:112308. doi: 10.1016/j.biopha.2021.112308. Epub 2021 Oct 12. PMID:

34649217.